Cuba, Venezuela, Brasil

A primeira vez que fui a Cuba foi em janeiro de 1986, num congresso de professores. O país era dependente da URSS e, mais do que as maravilhas que apregoavam ter feito na educação, o que senti mesmo foi a falta de liberdade do povo para dizer o que pensava do regime, a falta de tudo no mercado, exceto livros na principal livraria de Havana, e o medo que a todos contaminava. Um cara de fuinha me acompanhou o tempo todo e até hoje ainda tenho pesadelo com aquele perdigueiro estalinista. Voltei a Cuba, em 1993, a URSS tinha acabado e Cuba estava à beira do caos social e econômico. A válvula de escape foi a liberação do povo e milhares de cubanos escaparam da ilha-prisão, a maioria para os EUA. Nem livros encontrei mais em Havana. “La Moderna Poesía” tinha virado uma loja fantasma, como todas as outras da cidade. O escritor Pedro Juan Gutierrez deixou memoráveis narrativas daqueles tempos de miséria, em sua “trilogia suja de Havana”, em que as pessoas vendem charutos contrabandeados e a si mesmos aos turistas. Quando saímos de lá, eu e minha esposa paramos na Venezuela e foi um alívio encontrar comida, respirar liberdade, voltar à realidade conhecida por nós. A Venezuela era o país mais parecido com o Brasil, de todos os que já tinha visitado, pelo povo, pela cultura em geral, sobretudo a comida, pela miscigenação étnica, pelas diferenças sociais, pela sedução capitalista. Voltei a Cuba, em 1997, com meu filho, a caminho da Jamaica. São dois países muito diferentes, pelos modelos políticos que têm, mas muito parecidos na miséria em que vive o povo. Um, explorado pelo capitalismo, o outro iludido pela ladainha socialista. Há de se encontrar um meio termo e essa terceira via me parece a que alcançaram os países democratas com uma legislação socializante, como a dos escandinavos, sem ditadura de qualquer tipo. A liberdade de opinião, de crença, de ir e vir, devem ser a base de todo regime democrático. O contrário é a ditadura da opinião única, da vontade soberana, da imposição de ideias, da contestação à divergência.

Volto, agora, à Venezuela, e mal consigo entrar no país. A antes bela cidade de Caracas, crescida num vale entre montanhas e que antes só perdia a beleza para as suas mulheres, sempre finalistas nos concursos de “Miss Universo”, tornou-se uma das cidades mais perigosas do mundo, totalmente favelizada, suja, decadente, dominada por marginais e por gente que vive de subsídios do governo, e não trabalha; por isso, rouba, assalta, mata. O país está politicamente dividido, como aqui, e pouco mais da metade da população legitima, nas urnas, a república bolivariana implantada por Chávez, há vinte anos, sustentada por uma intensa propaganda ideológica e uma divisão criada entre os venezuelanos entre “nós”, os que apoiam o governo” e os “outros”, os que são contra. Conversei com venezuelanos da classe média, que me contaram sobre as filas para se conseguir produtos básicos de sobrevivência, como o óleo de cozinha, o feijão, a carne, sobre a desvalorização do bolívar e sobre as milícias criadas pelo governo para se autossustentar. Em todo país, há monumentos dedicados a Chávez, dizeres como “Antes, lacaios do imperialismo; hoje, líderes do Mercosul”, fotos de Chávez com Lula e Dilma e apologias ao regime que implantaram lá. O povo venezuelano está até sem papel higiênico, produto raríssimo no país. Tão raro que o vi numa loja do free shopping de La Gayra. Corríamos o risco de o Brasil virar uma nova Cuba e Venezuela.  e de nosso verde e amarelo  ser substituído pelo vermelho bolivariano. Parece que, por enquanto, estamos salvos do pesadelo petista. Foi o que mostraram as urnas nas últimas eleições. (As fotos abaixo são de Havana, em 2015)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s