Lima, capital gastronômica latino-americana

Estive em Lima, pela primeira, em 1986. Era época de ditadura militar, o país estava em guerra civil e tivemos de sair do aeroporto com um salvo-conduto para chegar até o centro de Lima. No caminho, fomos parados por soldados e não sabíamos se eram da força do governo ou do “Sendero Luminoso”, grupo guerrilheiro que tentava tomar o país. Em Lima, ficamos hospedados no tradicional hotel Bolívar, bem próximo à Praça de Armas, mas havia toque de recolher e, à noite, ninguém podia sair às ruas. Um horror! Só quem viveu aqueles dias sabe o que passaram os peruanos e todos nós que fizemos períodos de exceção em que não valem as leis e a Constituição, mas as forças das armas.

Trinta anos depois, voltamos a Lima. A cidade era outra. Parecia que tínhamos chegado a outro continente, pois nem reconhecíamos mais aquela Lima cheia de nativos, com suas roupas coloridas, uma cidade enevoada e suja, pois ali, por fenômenos meteorológicos, nunca chove. Lima, hoje, respira um clima de prosperidade, há trabalho para todos, não se veem mendigos pelas ruas, a cidade está cheia de prédios, grandes avenidas, shoppings moderníssimos. Tornou-se a capital latino-americana da gastronomia, com restaurantes e chefes premiadíssimos, que exploram as delícias da culinária tradicional com a comida internacional. Os restaurantes mais sofisticados são concorridíssimos, há longas filas de espera, mas em qualquer lugar pode-se comer bem, seja os diferentes tipos de ceviche, o prato típico local, seja os peixes do Pacífico e frutos do mar ali feitos com sabor e arte.

Lima é uma cidade que preserva tesouros históricos da época em que foi capital do Vice-Reino espanhol e sua catedral, a igreja de S. Francisco e o palácio dos Vice-Reis fazem parte da monumental Praça de Armas. É surpreendente como a cidade é segura, se a compararmos com as cidades Brasileiras. Nos locais turísticos, idosos aposentados portam cintos cheios de moeda local, o Sol, para fazer o câmbio do dia aos turistas do mundo todo que ali acorrem para conhecer o Peru, as maravilhas peruanas, sua história centenária e seu presente exitoso. Muitos turistas ficam alguns dias em Lima e depois sobem para Cuzco e outras cidades da serra e do litoral. Alguns vão em busca das ondas do pacífico, outros da herança história dos Incas, o povo lendário que resistiu aos conquistadores espanhóis o quanto pôde e hoje forma a base etnográfica e cultural do país.

Fomos de navio, desde Valparaíso,no Chile,  e o porto de Callao é área perigosa para os turistas, segundo eles. Talvez o seja à noite. De dia, nada vi que pudesse amedrontar, se você não levar dinheiro, joias ou câmeras caras. É assim em todos os lugares. Em Lima, pode-se ficar no bairro mais nobre e mais bonito, o de Miraflores, onde estão os bons restaurantes e hotéis, mas o passado histórico tanto do período colonial quanto do pré-colonial está no centro e nos arredores. Os táxis são confiáveis, os motoristas super simpáticos e pode-se arrendar um deles, a preços módicos, para visitar as principais atrações limenhas. Vale a pena!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s