Os encantos de Marselha

Marselha é a segunda maior cidade, o maior porto comercial e a mais antiga da França. Seu nome origina-se do grego “Massália”, mas também foi porto para os fenícios. Sempre teve grande importância na história da França e da Europa mediterrânica, sendo conquistada e reconquistada por diferentes povos. Por sua grande diversidade étnica e cultural, já que lá vivem milhares de pessoas de diferentes raças, credos e culturas, Marselha foi eleita capital europeia da cultura, em 2013. Marselha também é considerada cidade da arte e da história e o hino nacional da França tão conhecido no mundo todo é chamado “La Marsellaise”, por causa das tropas revolucionárias de Marselha que atuaram nos combates da revolução francesa, em 1789. Outra contribuição cultural marselhesa é o baralho de Tarô, usado na cartomancia em todo mundo.

A cidade tem grandes atrações turísticas, além de estar próxima de outras cidades históricas como Avignon, a cidade dos papas, e outras regiões da antiga Provença, na qual se situa. Para quem vai pela primeira vez, basta ficar na cidade e curtir suas atrações, dentre as quais estão o Velho Porto e o Panier, bairro com ruas pequenas e estreitas, cafés e restaurantes, no qual Marselha foi fundada. Dali se pode visitar a principal atração turística, tomando um trenzinho que leva até a monumental Basílica de Nossa Senhora da Guarda. No caminho, que margeia o velho porto, poderá tirar boas fotos da cidade, de suas velhas fortalezas e do porto.

Uma segunda atração é o Castelo de If, uma antiga prisão situada numa ilha costeira à cidade onde o Conde de Monte Cristo foi encarcerado no célebre romance de Alexandre Dumas. Aos amantes de arquitetura, recomenda-se uma visita à “Cité Radieuse”, unidade habitacional de Marselha construída pelo célebre arquiteto suíço Le Corbusier. Aos que gostam de andar a pé, recomenda-se uma caminhada pelo “Cours Julien”, bairro tido como local de encontro da cultura alternativa marselhesa. Confesso que me senti numa cidade árabe-africana como Tânger, Túnis ou Casablanca. Ouvi mais árabe do que francês. Comprei tâmaras deliciosas da Argélia a um euro dois pacotes. Vi os sabonetes de Alepo, que nem devem estar mais sendo fabricados na cidade síria. Passeei nos mercados árabes de Marselha, deliciando-me com a balbúrdia, a sujeira e a bagunça nada europeias. A cidade esta repleta de turistas e não senti nenhuma insegurança. Sentamo-nos num café-restaurante, tomamos um “rouge” local, mais barato do que uma cerveja, e comemos “moules frites”, mexilhão com batata frita, que parece não combinar, mas é uma delícia. E vive la France!

Anúncios

3 comentários

  1. Ana Lucia Nogueira Junqueira · agosto 25, 2016

    Adoro as relações histórico culturais que Francisco Aurélio no brinda para além do deleite das viagens.

    Curtir

  2. Elizete Caser Rocha · setembro 5, 2016

    Descrição fantástica de suas maravilhosas viagens em várias cidades encantadoras! Barcelona é uma delas que quem vai sempre quer voltar. Amei suas narrativas! Parabéns pelas escolhas! Muito enriquecedor pra nossa cultura.
    Pense numa nova publicação de suas viagens, vale a pena!

    Curtir

  3. Francisco Aurelio Ribeiro · setembro 5, 2016

    Obrigado, Elizete. Depois de uns 50 posts vamos pensar em publicação impressa. Ab.Fco

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s