Gibraltar, enclave britânico na Espanha

 

Gibraltar é uma pequena península no sul da Península Ibérica, com uma superfície de 6,5 km quadrados; tem uma estreita fronteira terrestre com  Espanha e está situada entre o  Mar Mediterrâneo, o  Estreito de Gibraltar e a  baía de Algeciras, com 12 km de linha de costa. O seu aspeto é de um rochedo com 426 m de altitude e o seu clima é mediterrânico, com invernos suaves e verões quentes. Embora tenha sido ocupada por uma força anglo-holandesa em 1704, a Espanha ainda mantém a reivindicação sobre o Rochedo, o que é totalmente rejeitado pela população gibraltina, cerca de trinta mil habitantes, súditos da Rainha Elizabeth II.

O nome Gibraltar origina-se na expressão árabe jabal al-Tariq  que significa “montanha do Tárique”. A montanha, um promontório militarmente estratégico na entrada do mar Mediterrâneo, guarnece o estreito oceânico que separa a África do continente europeu. O nome é uma homenagem ao general muçulmano Tárique que, no ano de 711 d.C. aí desembarcou, iniciando a conquista do reino visigótico. Antes foi chamado pelos  fenícios de Calpe, uma das Colunas de Hércules. Popularmente, Gibraltar é chamada de “Gib” ou “The Rock” (o Rochedo).

Por sua importância estratégica, já pertenceu acartagineses, romanos, vândalos, muçulmanos e espanhóis. Em 1462, os espanhóis expulsaram os muçulmanos num episódio de reconquista territorial. Atualmente, o brasão e a bandeira evocam o antigo reino de Castela. Uma força anglo-neerlandesa liderada por Sir George Rooke apoderou-se de Gibraltar em 1704. O território foi cedido à Grã-Bretanha pela Espanha no Tratado de Utrecht, em  1713, como parte do pagamento da Guerra da Sucessão Espanhola. Nesse tratado, a Espanha cedeu à Inglaterra “a total propriedade da cidade e castelo de Gibraltar, junto com o porto, fortificações e fortes (…) para sempre, sem qualquer exceção ou impedimento.”Apesar de tudo, o tratado de cessão estipulava que nenhum comércio por terra entre Gibraltar e a Espanha deve ocorrer, exceto para provisões em caso de emergência, se Gibraltar não conseguir ser abastecida por mar. Uma condição especial nesse tratado é que “nenhuma permissão deve ser dada sob qualquer pretexto, tanto a judeus quanto a mouros, para morarem ou terem residência na dita cidade de Gibraltar”. Esta restrição foi rapidamente ignorada, e por muitos anos tanto judeus quanto árabes moraram pacificamente em Gibraltar. Numa cláusula de reversão, se a coroa britânica quiser abandonar Gibraltar, deve oferecê-la primeiro à Espanha.

Nos tempos de Franco, as fronteiras do “rochedo” estiveram encerradas, dificultando a vida aos seus 30 mil habitantes. A passagem de pessoas e bens voltou a ser possível em 1985.Num  referendo de 1967, a população de Gibraltar ignorou a pressão espanhola e votou maciçamente por permanecer sob dependência britânica. Em 2002, 99% dos votantes rejeitaram qualquer proposta de partilha de soberania entre o Reino Unido e a Espanha. No entanto, os gibraltinos têm buscado um status mais avançado e um relacionamento com o Reino Unido que reflita o presente nível de autogoverno. Uma nova constituição para o território foi submetida a aprovação.

Uma vez que Gibraltar não possui recursos agrícolas nem minerais, os seus habitantes ganham a vida graças ao porto, às docas e às bases da OTAN. As principais atividades econômicas são as reparações navais, o abastecimento aos navios, as indústrias alimentares e de bebidas, o turismo, o comércio e os serviços de reexportação. Embora a presença naval britânica em Gibraltar tenha diminuído muito desde o seu auge, antes da Segunda Guerra Mundial, o estreito de Gibraltar é uma das mais frequentadas vias marítimas do Mundo, com a passagem de um navio a cada seis minutos. Sobretudo no verão a pequena Gibraltar fica cheia de navios de cruzeiro e de turistas do mundo em busca de suas atrações, que não são muitas e podem ser vistas todas em um dia. Primeiro, os macacos de Gibraltar, famosos no mundo todo, pois são os únicos monos livres da Europa, uma população de 250 protegida e alimentada pelo governo. São macacos africanos, que atravessaram o estreito em algum momento da história e não mais regressaram. Os machos têm o saco escrotal azul, iguais aos que vi no Zimbabwe e na Tanzânia, mas diferentes deles, não têm rabos. A evolução fê-los perder o rabo, talvez pela inexistência de grandes árvores naquele rochedo. Mais uma vez, Darwin estava certo. Depois dos macacos, as atrações principais são: a Ponta Europa, um mirante, de onde se pode ver as costas do Marrocos, do outro lado do estreito; a caverna de São Miguel, de origem neolítica, hoje usada como sala de concerto; o túnel  Siegel, Impressionante construção feita na rocha por  soldados, como estratégia militar; o jardim botânico, o teleférico, que vai da rua principal ao alto do rochedo e até a observação de baleias e golfinhos na baía, se for de sorte. Muitos turistas, no entanto, nem visitam essas atrações. O que querem mesmo é percorrer as lojas com artigos sem impostos para levar lembranças para casa. Comprei alguns perfumes e realmente eram bem mais baratos do que nas lojas do aeroporto. E torcer para pegar um bom tempo, pois pegamos uma chuvinha fria, bem diferente do calorão que estava em Cartagena, no dia anterior.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s